Sexta-feira, 31 de Dezembro de 2010

Eu li... Irene Lourenço

SORRISO DE ESPERANÇA

 

Ano Novo! Ano Novo! Aleluia!

Que em cada rosto brilhe nova esperança

E que desapareçam da lembrança

As angústias, as dores, a nostalgia.

 

Que em cada coração haja bonança,

Que seja o ressurgir de um novo dia.

E que p’ra todos seja a harmonia

Seguro trampolim para a mudança.

 

Façamos também votos com fervor

Que o Novo Ano traga paz e amor

Ao coração das gentes sequiosas.

 

E que, das armas duras, inclementes,

Que ceifam tantas vidas inocentes,

Em vez de ogivas, saia pão e rosas.

 

 

In "Fátima Missionária"?

 

Irene Lourenço

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2010

Eu li... Alberto Caeiro/Fernando Pessoa

DIZEM QUE EM CADA COISA UMA COISA OCULTA MORA

 

Dizem que em cada coisa uma coisa oculta mora.

Sim, é ela própria, a coisa sem ser oculta,

Que mora nela.

 

Mas eu, com consciência e sensações e pensamento,

Serei como uma coisa?

Que há a mais ou a menos em mim?

Seria bom e feliz se eu fosse só o meu corpo -

Mas sou também outra coisa, mais ou menos que só isso.

Que coisa a mais ou a menos é que eu sou?

 

O vento sopra sem saber.

A planta vive sem saber.

Eu também vivo sem saber, mas sei que vivo.

Mas saberei que vivo, ou só saberei que o sei?

Nasço, vivo, morro por um destino em que não mando,

Sinto, penso, movo-me por uma força exterior a mim.

Então quem sou eu?

 

Sou, corpo e alma, o exterior de um interior qualquer?

Ou a minha alma é a consciência que a força universal

Tem do meu corpo por dentro, ser diferente dos outros?

No meio de tudo onde estou eu?

 

Morto o meu corpo,

Desfeito o meu cérebro,

Em coisa abstracta, impessoal, sem forma,

Já não sente o eu que eu tenho,

Já não pensa com o meu cérebro os pensamentos que eu sinto meus,

Já não move pela minha vontade as minhas mãos que eu movo.

 

Cessarei assim? Não sei.

Se tiver de cessar assim, ter pena de assim cessar,

Não me tomará imortal.

 

 

5-6-1922

 

In “Poemas Inconjuntos”

 

Alberto Caeiro/Fernando Pessoa

1889 – 1915

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2010

Eu li... Maria Rosário Nunes

LUZ NAS TREVAS

 

De Maria vai nascer o Salvador

o Deus vivo, Emanuel, feito criança.

Com Maria, peregrinos do Amor,

em Advento caminhamos nas Esperança.

 

És, Maria, brilho novo, nova aurora,

és estrela que nos vem anunciar:

O Messias prometido é o Profeta,

vai nascer o Deus amor que vem salvar.

 

És, Maria, uma luz em nossa trevas,

és presença no silêncio que anuncia:

O Messias prometido é Deus connosco,

vai  nascer o novo Sol, o novo Dia.

 

 

In “Fátima Missionária”

 

Maria Rosário Nunes 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 19 de Dezembro de 2010

Eu li... Mário Saa

XÁCARA DAS MULHERES AMADAS

 

Quem muitas mulheres tiver,
em vez duma amada esposa,
mais se afirma e se repousa
pera amar sua mulher;
quem isto não entender…
em cousas d’amor não ousa,
em cousas d’amor não quer!

Quantas mais, mais se descansa,
mais a gente serve a todas;
quantas mais forem as bodas,
quantos mais os pares da dança,
menos a dança nos cansa
o gosto d’andar nas rodas.

Que quantas mais, mais detido
a cada uma per si;
nem cansa tanto o que vi,
nem fica o gosto partido;
ao contrário, é acrescido
a cada uma per si!

No paladar de mudar
mais se sente o gosto agudo:
que amar nada ou amar tudo
é estar pronto a muito amar;
o enjoo vem de não estar
a par do nada e do tudo.

Mais fàcilmente se chega
pera muitas que pera uma;
e a razão é porque, em suma,
se esta razão me não cega,
quem quer que muitas adrega
é como tendo… nenhuma!

Com muitas, descanso vem,
faz o desejo acrescido:
que é o mais apetecido
aquilo que se não tem;
e o apetite é o bem;
e em saciá-lo é perdido.

Também a mulher que tem
seu marido repartido
é mais gostosa do bem
que advém de seu marido!

Tão gostosa e recolhida,
tão pronta e tão conformada,
quanto o gosto é não ter nada;
porque o gosto é ser servida
e não o estar contentada.
O gosto é cousa corrente,
e quem o tem já não sente
o gosto dessa corrida,
que tê-lo, é cousa… jazente…
que tê-lo, é cousa… perdida!

Ora, pois, nesta jornada
não vi nada mais de amar
que ter muito por chegar
e cousa alguma chegada;
não vi nada mais de ter…
que ter muito que perder…
e cousa alguma ganhada!

 

 

Cancioneiro do Salão dos Independentes

 

In “Líricas Portuguesas” –

Portugália Editora – 3.ª Série

 

Mário Saa

1894 – 1971

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quarta-feira, 15 de Dezembro de 2010

Eu li... Luís Adriano Carlos

TODA A METÁFORA

 

Toda a metáfora nos contém: de nós é feita

em um pedaço e nada mais. Como

se fôssemos tragados pela força

de seu poder desnudo e

de nós morrêssemos de súbito.

 

Toda a metáfora nos sustém / onde

não estamos como se

estivéssemos. E sempre

nos guarda a margem a que falta o rio

para nos banharmos. E além,

 

muito além de para lá, talvez

outros nos banhemos em

um rio sem a margem. Toda

a metáfora nos mantém

um pouco aquém

dela e de ninguém.

 

 

In “Poesia Digital - 7 Poetas dos Anos 80”

Campo das Letras

 

Luís Adriano Carlos

N. 1959

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 11 de Dezembro de 2010

Eu li... Guerra Junqueiro

ORAÇÃO AO PÃO

 

Com quantos grãos de trigo um pão se fez?
Dez mil talvez?
Dez mil almas, dez mil calvários e agonias,
Todos os dias,
Para insuflar alentos n'alma impura
Duma só criatura!
Homem, levanta a Deus o coração,
Ao ver o pão.
Ei-lo em cima da mesa do teu lar;
Olha a mesa: um altar!
Ei-lo, o vigor dos braços teus,
O pão de Deus!
Ei-lo, o sangue e a alegria,
Que teu peito robora e teu crânio alumia!
Ei-lo a fraternidade,
Ei-lo, a piedade,
Ei-lo, a humildade,
Ei-lo a concórdia, a bem-aventurança,
A paz em Deus, tranquila e mansa!
Comer é comungar. Ajoelha, orando,
Em frente desse pão, ou duro ou brando.
Antes que o mordas, tigre carniceiro,
Ergue-o na luz, beija-o primeiro!
Depois devora! O pão é corpo e alma
Em corpo e alma
O comerás,
Tigre voraz.
São dez mil almas brancas, cor de Lua,
Transmigrando divinas para a tua!

 

 

1902

 

In “Oração ao Pão”

 

Guerra Junqueiro

1850 – 1923   

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 7 de Dezembro de 2010

Eu li... Eugénio de Castro

A COROA DE ROSAS

 

A fim, oculto amor, de coroar-te,
de adornar tuas tranças luminosas,
uma coroa teci de brancas rosas,
e fui pelo mundo afora, a procurar-te.

 

Sem nunca te encontrar, crendo avistar-te
nas moças que encontrava, donairosas,
fui-as beijando e fui-lhes dando rosas
da coroa feita com amor e arte.

 

Trago, de caminhar, os membros lassos,
acutilam-me os ventos e as geadas,
já não sei o que são noites serenas…

 

Sinto que vais chegar, ouço-te os passos,
mas ai! nas minhas mãos ensanguentadas
uma coroa de espinhos trago apenas!



Eugénio de Castro

1869 – 1944

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008

contador de acesso

.Ano IX

.posts recentes

. Eu li...

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... António Botto

. Eu li... Charles Baudelai...

. Eu li... Su Dongbo

. Eu li... Jacinta Passos

. Eu li... Laura Riding

. Eu li... Carlos Drummont ...

. Eu li... Juan Ramón Jimén...

. Eu li... Vincenzo Cardare...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

contador de visita
blogs SAPO

.subscrever feeds