Quinta-feira, 30 de Julho de 2009

Eu li... António de Sousa

CAMINHEIRO

 

Que distância vai perdida

nos teus olhos, amor!

– Teus beijos, o teu sabor;

o sal da minha vida!

 

A vida que me pedia

a ternura dos teus braços!

A onda dos meus abraços:

o que eu valia!

 

Ai, nem ave nem flor

nos meus caminhos doridos!

Gastos os cinco sentidos

por amor...

 

(Que importam cuidados

se o destino vem?

Quem dá o que tem

só dá seus pecados...)

 

 

In “O Náufrago Perfeito”

Editorial Atlântida – Coimbra

 

António de Sousa

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (3) | favorito
Sábado, 25 de Julho de 2009

Eu li... Cesário Verde

A FORCA

 

Já que adorar-me dizes que não podes,
Imperatriz serena, alva e discreta,
Ai, como no teu colo há muita seta
E o teu peito é peito dum Herodes,

Eu antes que encaneçam meus bigodes
Ao meu mister de amar-te hei de pôr meta,
O coração mo diz - feroz profeta,
Que anões faz dos colossos lá de Rodes…


E a vida depurada no cadinho
Das eróticas dores do alvoroço,
Acabará na forca, num azinho,

Mas o que há de apertar o meu pescoço
Em lugar de ser corda de bom linho
Será do teu cabelo um menos grosso.

 

 

O2 de Abril de 1873

 

In “O Livro de Cesário Verde”

 

Cesário Verde

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 20 de Julho de 2009

Eu li... Pablo Neruda

O TEU RISO

Tira-me o pão, se quiseres,
tira-me o ar, mas não
me tires o teu riso.

Não me tires a rosa,
a lança que desfolhas,
a água que de súbito
brota da tua alegria,
a repentina onda
de prata que em ti nasce.

A minha luta é dura e regresso
com os olhos cansados
às vezes por ver
que a terra não muda,
mas ao entrar teu riso
sobe ao céu a procurar-me
e abre-me todas
as portas da vida.

Meu amor, nos momentos
mais escuros solta
o teu riso e se de súbito
vires que o meu sangue mancha
as pedras da rua,
ri, porque o teu riso
será para as minhas mãos
como uma espada fresca.

À beira do mar, no Outono,
teu riso deve erguer
sua cascata de espuma,
e na primavera, amor,
quero teu riso como
a flor que esperava,
a flor azul, a rosa
da minha pátria sonora.

Ri-te da noite,
do dia, da lua,
ri-te das ruas
tortas da ilha,
ri-te deste grosseiro
rapaz que te ama,
mas quando abro
os olhos e os fecho,
quando meus passos vão,
quando voltam meus passos,
nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria.


Pablo Neruda

(Poeta Chileno)

 

 

(Gentilmente remetido pela amiga Kátia Vilanova)

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quarta-feira, 15 de Julho de 2009

Euli... Walter Benjamin

TAL COMO INVICTO PRÍNCIPE A SURTIDA

 

Tal como invicto príncipe a surtida

por terra alheia acaba em paz segura

tu submeteste a ti com a mão pura

antes de abandoná-la a própria vida

 

Tomaste aos fiéis a ver-te nessa altura

- ignoto e evitado – de partida

da dura lide a leve palma havida

e não mais deste a ver tua figura

 

O exército passou e dispersou

perdeu-se a terra que em ti começou

quem sabe quanto tempo ainda leve

 

inacabada Em mim de vez entrou

a fila o medo de altos dias Sou

quem fica atrás e teus feitos escreve.

 

 

In “Os Sonetos de Walter Benjamim”

Tradução de Vasco Graça Moura

Campo das Letras Editores – 1999

 

Walter Benjamin

(Filósofo e sociólogo judeu alemão)

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sexta-feira, 10 de Julho de 2009

Eu li... Florbela Espanca

O TEU OLHAR

 

Quando fito o teu olhar,
Duma tristeza fatal,
Dum tão íntimo sonhar,
Penso logo no luar
Bendito de Portugal!

O mesmo tom de tristeza,
O mesmo vago sonhar,
Que me traz a alma presa
Às festas da Natureza
E à doce luz desse olhar!

Se algum dia, por meu mal,
A doce luz me faltar
Desse teu olhar ideal,
Não se esqueça Portugal
De dizer ao seu luar

Que à noite, me vá depor
Na campa em que eu dormitar,
Essa tristeza, essa dor,
Essa amargura, esse amor,
Que eu lia no teu olhar!

 

In “O Livro D’ele – Poesia Completa”

Publicações D. Quixote

 

Florbela Espanca

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 5 de Julho de 2009

Eu li... António Baticã Ferreira

PAÍS NATAL

 

Um sentimento de amor pátrio sobe no meu coração,

Em espírito demando o meu país natal,

E lembro aquela floresta africana,

Cheia de caça e verdura:

Lembro as suas imensas árvores gigantes,

A folhagem verde ou amarela

Que nos perfuma.

Revejo a minha infância,

Toda cheia de alegria:

Eu corria pelo mato,

Espiava os animais selvagens,

Sem medo;

E olhava os lavradores nos campos,

E, no mar, o pescadores,

Que lutavam contra o vento, para agarrar o peixe,

E que eu, atento, seguia com o olhar:

Como gostava de os ver no oceano

Domar as vagas, que lhe queriam virar as barcas!

(Ah! bem me lembro, bem me lembro do meu país natal!)

 

 

In ”Primeiro Livro de Poesia”

Selecção de Sophia de M. B. Andresen

Editorial Caminho

 

António Baticã Ferreira

(Poeta Guineense)

 

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Ano IX

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Eu li...

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... António Botto

. Eu li... Charles Baudelai...

. Eu li... Su Dongbo

. Eu li... Jacinta Passos

. Eu li... Laura Riding

. Eu li... Carlos Drummont ...

. Eu li... Juan Ramón Jimén...

. Eu li... Vincenzo Cardare...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds