Quarta-feira, 28 de Maio de 2014

Eu li... Murilo Mendes

SOMOS TODOS POETAS

 

Assisto em mim a um desdobrar de planos.
as mãos vêem, os olhos ouvem, o cérebro se move,
A luz desce das origens através dos tempos
E caminha desde já
Na frente dos meus sucessores.

Companheiro,
Eu sou tu, sou membro do teu corpo e adubo da tua alma.
Sou todos e sou um,
Sou responsável pela lepra do leproso e pela órbita vazia do cego,
Pelos gritos isolados que não entraram no coro.
Sou responsável pelas auroras que não se levantam
E pela angústia que cresce dia a dia.

 

In “Poesia Completa e Prosa”

Editora Nova Aguilar – Rio de Janeiro

 

Murilo Mendes

(Poeta Brasileiro)

1901 – 1975

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sexta-feira, 23 de Maio de 2014

Eu li... Saul Dias

ESCREVER UM LIVRO, CRIAR UM FILHO,

PLANTAR UMA ÁRVORE

 

Escrevi um livro.

Quantos anos a sonhá-lo,

A rascunhá-lo nas mesas dos cafés,

A escrevê-lo nos intervalos do emprego,

A vivê-lo,

A sofrê-lo,

Na província, nas cidades...!

 

Criei um filho.

Tanta alegria no meu coração!

 

Só ainda não plantei uma árvore.

O frágil caule como protegê-lo?

Como não deixar que os bichos

Maculem as pequeninas folhas?

E como dialogar com uma árvore-menina? 

 

Agora vai sendo tempo.

Os anos já me pesam.

Amanhã vou plantar uma árvore.

 

In “Essência”

Brasília Editora – 1973

 

Saul Dias **

1902 – 1983

 

**pseudónimo de Júlio Maria dos Reis Pereira

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 18 de Maio de 2014

Eu li... Francisco de Pina e Melo

FRAGILIDADE DO ALÍVIO

 

Se me ponho quieto, e pensativo;

Com memórias a ideia fatigando,

Sobra à Morte o andar escogitando

Para acabar-me a vida, outro motivo.

 

Antes de tantas lástimas cativo,

Por tantos casos míseros passando,

Não sei como em meus males contemplando.

De peso tão profundo escapo vivo.

 

Só tenho algum alívio enquanto dura

A quimera de um vago pensamento

Que aéreas esperanças me assegura:

 

Triste alívio! infeliz contentamento!

Que para sustentar minha ventura,

Não tem mais cabedal, que o fingimento.

 

In “As Rimas” – 1717 

Off. de Joseph Antunes da Sylva – Coimbra

 

Francisco de Pina e Melo

1695 – 1773

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 13 de Maio de 2014

Eu li... Agostinho da Silva

SOU MARUJO, MESTRE E MONGE

 

Sou Marujo, Mestre e Monge

marujo de águas paradas

mas que levam os navios

às terras por mim sonhadas

 

Também sou mestre de escola

em que toda a gente cabe

se depois de estudar tudo

sentir bem que nada sabe

 

Mas nem terra ou mar me prendem

e para voar mais longe

do mosteiro que não houve

e não haja, me fiz monge

 

In "Uns Poemas de Agostinho"

Ulmeiro – 1989  

 

Agostinho da Silva

1906 – 1994

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quinta-feira, 8 de Maio de 2014

Eu li... Auta de Souza

NO JARDIM DAS OLIVEIRAS

 

“Minh’ alma é triste até à morte...” Doce,

Jesus falou... E o Nazareno santo

Chorava, como se a su’alma fosse

Um mar imenso de amargura e pranto.

 

Depois, silencioso, ele afastou-se

E foi rezar no mais sombrio canto.

Seu grande olhar formoso iluminou-se

Fitando o etéreo e estrelejado manto.

 

“Pai, tem piedade...” E sua vez plangente

Tremia, enquanto pelas trevas mudas

Baixava manso o triste olhar dolente.

 

Pobre Jesus! Como n’um sonho via:

Em cada sombra a traição de Judas,

Em cada estrela os olhos de Maria!

 

In “Horto” 1900

 

Auta de Souza

1876 – 1901 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 3 de Maio de 2014

Eu li... Viriato da Cruz

NAMORO

 

Mandei-lhe uma carta em papel perfumado

e com a letra bonita eu disse ela tinha

um sorrir luminoso tão quente e gaiato

como o sol de Novembro brincando de artista nas

[acácias floridas

espalhando diamantes na fímbria do mar

e dando calor ao sumo das mangas

Sua pele macia - era sumaúma...

Sua pele macia, da cor do jambo, cheirando a rosas

tão rijo e tão doce - como o maboque...

Seus seios laranjas - laranjas do Loge

seus dentes... - marfim...

Mandei-lhe uma carta

e ela disse que não.

Mandei-lhe um cartão

que oamigo  Maninho tipografou:

"Por ti sofre o meu coração"

Num canto - SIM, noutro canto - NÃO

E ela o canto do NÃO dobrou.

Mandei-lhe um recado pela Zefa do Sete

pedindo rogando de joelhos no chão

pela Senhora do Cabo, pela Santa Ifigénia,

me desse a ventura do seu namoro...

E ela disse que não.

 

Levei à avó Chica, quimbanda de fama

a areia da marca que o seu pé deixou

para que fizesse um feitiço forte e seguro

que nela nascesse um amor como o meu...

E o feitiço falhou.

 

Esperei-a de tarde, à porta da fábrica,

ofertei-lhe um colar e um anel e um broche,

paguei-lhe doces na calçada da Missão,

ficamos num banco do largo da Estátua,

afaguei-lhe as mãos...

falei-lhe de amor... e ela disse que não.

Andei barbado, sujo, e descalço,

como um mona-ngamba.

Procuraram por mim

" - Não viu...(ai, não viu...?) Não viu Benjamim?"

E perdido me deram no morro da Samba.

Para me distrair

levaram-me ao baile do sô Januário

mas ela lá estava num canto a rir

contando o meu caso às moças mais lindas do Bairro

[Operário

 

Tocaram uma rumba - dancei com ela

e num passo maluco voamos na sala

qual uma estrela riscando o céu!

E a malta gritou: "Aí Benjamim!"

Olhei-a nos olhos - sorriu para mim

pedi-lhe um beijo - e ela disse que sim.

 

In “Poemas de Amor”

Versões Ana Leal

Edição Alma Azul – Janeiro.2006

 

Viriato da Cruz

(Poeta Angolano)

1928 – 1973

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contadores digitales

.Ano IX

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Eu li...

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... António Botto

. Eu li... Charles Baudelai...

. Eu li... Su Dongbo

. Eu li... Jacinta Passos

. Eu li... Laura Riding

. Eu li... Carlos Drummont ...

. Eu li... Juan Ramón Jimén...

. Eu li... Vincenzo Cardare...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds