Sábado, 28 de Setembro de 2013

Eu li... Manuela Correia

PORQUE

 

Porque o teu corpo é verde quando o penso
e o teu silêncio é branco no meu sono
Porque os teus braços são grandes planícies
onde eu caibo em êxtase e em abandono

Porque o teu torso é o feltro que me nimba
e as tuas mãos são o sol da quentura
Porque o teu sorriso é um lustre acordado
e o teu coração é um lar de ternura

Porque a tua boca é a fonte mais pura
onde a sede me morre alegremente
Porque os teus olhos são caleidoscópios
onde o meu coração não se desmente

Porque és para mim a árvore infinita
e para ti eu sou a eterna flor
É que o tempo se alonga de joelhos
quando um de nós soletra Meu amor

In “Poemas Tri Angulares”

Elefante Editores

Manuela Correia
N. ?

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 23 de Setembro de 2013

Eu li... Janete Rodrigues Ribeiro

SINA

 

Por que você me leva a fazer
coisas que no fundo,
eu não queria?
Coisas que não posso controlar?
Por que, olhando nos teus olhos
eu vejo além da vida,
eu olho um passado remoto,
um encontro, uma despedida?
Por que, a sensação de pecado,
de erro,
de caminhos cruzados,
essa força que nos atrai? Por que, por um acaso do destino
você cruzou meu caminho
e, agora,
não sei como desviar?
Por que, sem querer, fui te encontrar,
se não era nada que eu procurava,
se você já havia demarcado sua vida
e eu estava fora, escondida?
Por que, por que, por quê?
Como as respostas encontrar
como fugir de tua boca
com essa vontade louca de te beijar?
Por que será que o destino
fez a gente se encontrar
será que é um teste,
ou um acaso singular?
E agora, fico a perguntar
porque pergunto tanto
sem ter a quem perguntar
porque te quero tanto e não posso confessar?
Não sei o que responder
não consigo solução encontrar
estou em luta comigo
só sei que não posso te amar!
Tua vida, minha vida,
cada um em seu lugar
nosso caso não tem saída
nisso temos que pensar...
Não posso abdicar de tudo
todos os meus princípios
jogados fora , pelo ar,
terei que lutar, forças encontrar...
Deixar que sigas teu caminho
se carinho tens que a outra dar
e vivas em paz tua vida
e não voltes a me procurar!
Deixa-me só, seguindo solidão,
essa é minha sina
sofrer em vão
sem ter ninguém para amar!

 

In “O canto da Rosa”

 

Janete Rodrigues Ribeiro
(Poetisa Brasileira)
N. 1939

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quarta-feira, 18 de Setembro de 2013

Eu li... Dora Ferreira da Silva

UTOPIA

 

Deus é dia - noite
inverno - verão
guerra - paz
penúria - saciedade:
era este o credo da Montanha
Dormindo velávamos.

 

Quantas vezes a ti voltei
regaço
e a ti voltarei
horizonte da meta?
Não do preciso ou impreciso desejo
mas doar pleno
sendo Deus oferenda e altar.
Quem desperta do gesto litúrgico
de si mesmo feito
sente o peito pulsar
silêncio
e dança.

 

In “Poesia Reunida”
Topbooks Editora - Rio de Janeiro - Brasil

 

Dora Ferreira da Silva
(Poetisa Brasileira)
1918 – 2006

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sexta-feira, 13 de Setembro de 2013

Eu li... Inês Lourenço

MIRAMAR

 

Acender um cigarro na praia, proteger
o difícil estertor da pequena chama. Anular
o vento na manga do teu casaco. Reter
preso entre os dedos o princípio breve
dessa efémera combustão.

In “Teoria da Imunidade”
Felício & Cabral - Publicações

 

Inês Lourenço

N. 1942

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 8 de Setembro de 2013

Eu li... Jorge de Lima

O MUNDO DO MENINO IMPOSSÍVEL

 

Fim da tarde, boquinha da noite
com as primeiras estrelas
e os derradeiros sinos.

Entre as estrelas e lá detrás da igreja,
surge a lua cheia
para chorar com os poetas.

E vão dormir as duas coisas novas desse mundo:
o sol e os meninos.

Mas ainda vela
o menino impossível
aí do lado
enquanto todas as crianças mansas
dormem
acalentadas
por Mãe-negra Noite.
O menino impossível
que destruiu
os brinquedos perfeitos
que os vovós lhe deram:

o urso de Nürnberg,
o velho barbado jugoeslavo,
as poupées de Paris aux
cheveux crêpés,
o carrinho português
feito de folha-de-flandres,
a caixa de música checoslovaca,
o polichinelo italiano
made in England,
o trem de ferro de U. S. A.
e o macaco brasileiro
de Buenos Aires
moviendo la cola y la cabeza.

O menino impossível
que destruiu até
os soldados de chumbo de Moscou
e furou os olhos de um Papá Noel,
brinca com sabugos de milho,
caixas vazias,
tacos de pau,
pedrinhas brancas do rio...

“Faz de conta que os sabugos
são bois...”
“Faz de conta...”
“Faz de conta...”

E os sabugos de milho
mugem como bois de verdade...

e os tacos que deveriam ser
soldadinhos de chumbo são
cangaceiros de chapéus de couro...

E as pedrinhas balem!
Coitadinhas das ovelhas mansas
longe das mães
presas nos currais de papelão!

É boquinha da noite
no mundo que o menino impossível
povoou sozinho!

A mamãe cochila.
O papai cabeceia.
O relógio badala.

E vem descendo
uma noite encantada
da lâmpada que expira
lentamente
na parede da sala...

O menino poisa a testa
e sonha dentro da noite quieta
da lâmpada apagada
com o mundo maravilhoso
que ele tirou do nada...

Xô! Xô! Pavão!
Sai de cima do telhado
Deixa o menino dormir
Seu soninho sossegado!

In “Obra Completa – Vol. I”
Editora José Aguilar Lda. - Rio de Janeiro - 1.ª ed.

 

Jorge de Lima

(Poeta Brasileiro)
1893 – 1953

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 3 de Setembro de 2013

Eu li... Ana Cristina César

CHOVE

 

A chuva cai.
Os telhados estão molhados,
Os pingos escorrem pelas vidraças.
O céu está branco,
O tempo está novo.
A cidade lavada.
A tarde entardece,
Sem o ciciar das cigarras,
Sem o jubilar dos pássaros,
Sem o sol, sem o céu.
Chove.
A chuva chove molhada,
No teto dos guarda-chuvas.
Chove.
A chuva chove ligeira,
Nos nossos olhos e molha.
O vento venta ventado,
Nos vidros que se embalançam,
Nas plantas que se desdobram.
Chove nas praias desertas,
Chove no mar que está cinza,
Chove no asfalto negro,
Chove nos corações.
Chove em cada alma,
Em cada refúgio chove;
E quando me olhaste em mim,
Com os olhos que me seguiam,
Enquanto a chuva caía
No meu coração chovia
A chuva do teu olhar.

In “Inéditos e Dispersos”
Editora Ática

 

Ana Cristina César
(Poetisa Brasileira)
1952 – 1983

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contadores digitales

.Ano IX

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Eu li...

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... António Botto

. Eu li... Charles Baudelai...

. Eu li... Su Dongbo

. Eu li... Jacinta Passos

. Eu li... Laura Riding

. Eu li... Carlos Drummont ...

. Eu li... Juan Ramón Jimén...

. Eu li... Vincenzo Cardare...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds