Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2012

Eu li... Adanilde Duarte de Lima

INTIMIDADE

 

Estou aos teus pés

Nenhum mal pode me afligir

Escudo e fortaleza tu és

Espero e confio em teu agir

 

Quando em desespero me acho

Busco a ti em oração

Minha vitória não vem do acaso

Ela acontece no estender da tua mão

 

Sou feliz mesmo na dor

Pois corro a ti sem hesitar

No silêncio ages em meu favor

Sem tua graça não posso andar

 

Leva-me em teus caminhos

Não há lugar melhor para estar

Em tua presença encontro carinho

Obrigada Pai, por tanto me amar!

 

 

In “Livro de Ouro da Poesia Brasileira Contemporânea”

Edição 2010 do - Julho / 2010

 

Adanilde Duarte de Lima

(Professora e poetisa brasileira)

N. 1985

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 23 de Dezembro de 2012

Eu li... Castro Reis

IMAGEM DO NATAL

 

Nesta pálida imagem de Natal,

De tanta fantasia que é comum...

Por mais que o mundo esconda tanto mal,

Deus sabe o que é o Natal de cada um!

 

Bem lá no interior de cada casa,

Bem no fundo de cada coração:

Quanto Natal sem pão, sem uma brasa,

Quanto Natal de angústia e solidão!

 

Tu sabes, meu irmão, o que é o Natal,

Esse Natal sem paz e amor algum?!...

Longe do sentimento fraternal,

 

Que de Natal, não tem sinal nenhum!

Nesta polida imagem de Natal,

Deus sabe o que é o Natal de cada um!

 

 

Natal de 1989

 

In “Etéreas Sinfonias do Natal”

Edição do Autor - 1997

 

Castro Reis

1918 – 2007

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 18 de Dezembro de 2012

Eu li... Jairo Lima Alves

PAZ INTERIOR

 

Paz interior é a sensação de liberdade,

Sentindo na alma intenso e puro amor ...

Essa vontade imensa de amar e amar

O ribombar do coração com tanto fervor.

 

O rio correndo livre também é paz...

O azul do céu refletido em nosso olhar

E ouvir o cântico melódico do rouxinol...

Para um mundo novo quer nos transportar.

 

O verbo tranqüilo do silêncio é paz perene;

A orquestra mental, a bonança interior...

O nascimento de um novo dia, radiante,

O pensamento refletido na luz do amor.

 

Mãos apertadas, que transmitem confiança,

Tal qual uma rosa no doce perfume da vida

Ou ainda uma pomba branca beijada pelo sol.

Paz é andar suavemente numa estrada florida.

 

Paz interior é como uma floresta iluminada

E uma cruz que alguém deixou no tempo...

Uma lágrima guardada no fundo, na memória.

Paz é um balão de ódio levado pelo vento.

 

Paz interior pode ser tratada como a paz profunda

Que arde como uma chama ardendo no peito perdoado...

Ela nos conduz a uma esperança amável e eterna.

Deus em nós produz um mundo belo e adorado

 

 

Jairo Lima Alves

(Poeta Brasileiro)

N. 1950

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2012

Eu li... Gregório de Matos

NECESSIDADES FORÇOSAS DA NATUREZA HUMANA 

 

Descarto-me da tronga, que me chupa,

Corro por um conchego todo o mapa,

O ar da feia me arrebata a capa,

O gadanho da limpa até a garupa.

 

Busco uma Freira, que me desentupa

A via, que o desuso às vezes tapa,

Topo-a, topando-a todo o bolo rapa,

Que as cartas lhe dão sempre com chalupa.

 

Que hei-de fazer, se sou de boa cepa,

E na hora de ver repleta a tripa,

Darei, por quem mo vaze toda Europa?

 

Amigo, quem se alimpa da carepa,

Ou sofre uma muchacha, que o dissipa,

Ou faz da sua mão sua cachopa.

 

 

Obras Completas de Gregório de Matos

 

In “Breve Antologia Poética do Período Barroco”

Livª. Civilização Editora – Porto e Contexto Editora – Lisboa

 

Gregório de Matos

(Poeta Brasileiro)

1623 – 1696

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 8 de Dezembro de 2012

Eu li... Almeida Garrett

SEUS OLHOS

 

Seus olhos - se eu sei pintarem

O que os meus olhos cegou –

Não tinham luz de brilhar.

Era chama de queimar;

E o fogo que a ateou

Vivaz, eterno, divino,

Como facho do Destino.

 

Divino, eterno! – e suave

Ao mesmo tempo: mas grave

E de tão fatal poder,

Que, num só momento que a vi,

Queimar toda alma senti...

Nem ficou mais de meu ser,

Senão a cinza em que ardi.

 

 

Folhas Caídas – 1853

 

In “SIGNOS”

Lisboa Editora

 

Almeida Garrett

1799 – 1854

publicado por cateespero às 10:42
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2012

Eu li... David Mourão-Ferreira

PARAÍSO

 

Deixa ficar comigo a madrugada,

para que a luz do Sol me não constranja.

Numa taça de sombra estilhaçada,

deita sumo de lua e de laranja.

 

Arranja uma pianola, um disco, um posto,

onde eu ouça o estertor de uma gaivota...

Crepite, em derredor, o mar de Agosto...

E o outro cheiro, o teu, à minha volta!

 

Depois, podes partir. Só te aconselho

que acendas, para tudo ser perfeito,

à cabeceira a luz do teu joelho,

 

entre os lençóis o lume do teu peito...

Podes partir. De nada mais preciso

para a minha ilusão do Paraíso.

                         

 

In "Infinito Pessoal"

 

David Mourão-Ferreira

1927 – 1996  

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contadores digitales

.Ano IX

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Eu li...

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... António Botto

. Eu li... Charles Baudelai...

. Eu li... Su Dongbo

. Eu li... Jacinta Passos

. Eu li... Laura Riding

. Eu li... Carlos Drummont ...

. Eu li... Juan Ramón Jimén...

. Eu li... Vincenzo Cardare...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds