Quarta-feira, 27 de Abril de 2011

Eu li... Fátima Irene Pinto

SOLIDÃO

Solidão não é a falta de gente para conversar,
namorar, passear ou fazer sexo...
isto é carência.

Solidão não é o sentimento que experimentamos
pela ausência de entes queridos que não podem mais voltar...
isto é saudade.

Solidão não é o retiro voluntário que a gente
se impõe as vezes, para realinhar os pensamentos...
isto é equilíbrio.

Tampouco é a pausa involuntária que o destino
nos impõe compulsoriamente, para que revejamos a nossa vida...
isto é um princípio da natureza.

Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado...
isto é circunstância.

Solidão é muito mais que isto...

Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos
e procuramos em vão, pela nossa Alma!

 

 

In “Palavras para Entorpecer o Coração”

Soler Editora

 

Fátima Irene Pinto

N. 1953

(Poetisa Brasileira)

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 21 de Abril de 2011

Eu li... Rodrigo Garcia Lopes

SOBRE UM DITADO ANTIGO

 

Vou dizer de novo o que disseram

para que a mente nunca esqueça

que um dia, folhas, nossos lábios se fizeram

relva, céu veloz, veludo e névoa espessa.

 

Essa fumaça no vazio é parecida

com a outra que, vida,

dura como dura o raio, quartzo

que uma pupila dilata e irradia.

 

Quem diria, por exemplo,

que sob a carne do incenso,

no durame da tarde,

o sândalo respira

sem fazer nenhum escândalo.

 

 

VISIBILIA

 

In “Poemas 1994 – 1997”

Sette Letras – RJ

 

Rodrigo Garcia Lopes

N. 1965

(Jornalista e escritor brasileiro)

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 15 de Abril de 2011

Eu li... Daniel Filipe

 

ABDICAÇÃO

 

A paz que tenho,  dela abdico:

não satisfaz a minha ânsia.

– Só  a distância

me faz rico.

 

Que importam  velas, catedrais

para o meu sonho de partir?

– Sou  longe e mais

só com sorrir.

 

Lírios, amores, cavalos-de-pasta,

também os teve a minha infância.

– Só  a distância

hoje me basta.

 

 

In “As Folhas de Poesia Távola Redonda"

Fundação Calouste Gulbenkian

Boletim Cultural – Série VI – n.º 11 – Outubro.1988

 

Daniel Filipe

1925 – 1964

(Poeta Cabo-Verdiano)

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 9 de Abril de 2011

Eu li... Maria João Brito de Sousa

AMAR É…

 

Amar é estar em paz, acreditar...

É ser gato e mulher e planta em flor!

Mais do que ter amor é Ser amor

E nesse amor fluir, frutificar...

 

É ter dentro de nós a Terra, o mar,

É pintar um poema em cada cor,

É poder consolar quem sinta dor,

Semear um sorriso em quem chorar...

 

É saber aceitar a vida, a morte

Sem o medo ou a sombra da revolta...

Equilibrando os pratos do destino

 

É vislumbrar, lá longe, a nossa sorte...

Agarrar o fiozinho, a ponta solta

Daquilo que há em nós e que é divino!

 

 

In “Poeta Porque Deus Quer”

1ª edição – Janeiro.2009

Autores Editora

 

Maria João Brito de Sousa

N. 1952

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 3 de Abril de 2011

Eu li... José Régio

FADO
DO GRANDE E HORRÍVEL CRIME

Por essas feiras do alfoz
Do Porto, leal cidade,
Brutal e triste, uma voz
Levanta um pregão feroz
De crime e fatalidade.

Junta-se o povo de roda,
Crianças, velhos e moços
Que seduz a nova moda;
E os olhos da roda toda
São como bocas de poços…

E a nova moda é já velha,
Recente, embora, a toada;
Revelha, velha, revelha,
Que a todas mais se assemelha,
De novo, não conta nada…

Vem dos inícios do mundo,
(Por não sei que ódio divino)
De quando, a errar vagabundo,
Caim desceu bem ao fundo
Do seu maldito destino.

Só a maneira é que é vária
Dum mesmo fado cumprir
A sinistra prole do pária;
E a assistência é extraordinária,
Que o bom povo quer ouvir!

Desfolha um bandolim gasto
Seu choro falso e palreiro
Frente a uma casa de pasto;
E um alto grito nefasto
Berra por todo o terreiro.

Canta uma mulher pejada,
Senhora-do-Ó fadista,
Ou uma garota enfezada
Que tem olhos de enjeitada
Mas pretende ser corista…

Canta um velhote que tosse,
Babando as barbas de neve,
Ou um rapazinho precoce,
Com esse ar dos a quem roce
A asa da morte breve…

Canta um esbelto vadio
De torvo olhar cor de lodo,
Que esguicha um mau riso frio
À triste a quem mata o cio
E apanha o dinheiro todo…

Canta uma cega, rolando
Por todo o alvar poviléu
Seus olhos vítreos olhando…
Canta um fado miserando,
Não mais, porém, do que o seu!

Canta uma família inteira,
― Pai, mãe, avó, quatro filhos —
E ao calar-se a cantadeira,
É a pobre velha gaiteira
Que intercala os estribilhos…

Um seráfico gandula
Que inda em falsete se exprime
E entre o público circula,
Pregoa uma canção chula
Mai l-o grande e hòrrível crime!

Surdo, o violão dlão toa,
E o bandolim se lhe enlaça…
Ou, carpindo a sós, ressoa
Uma guitarra, a mais boa
Companheira da desgraça.

E enquanto, em plena quermesse
De movimento, cor, sol,
A própria luz arrefece,
A voz de lástima e prece
Desfia o macabro rol:

Cose um marido a facadas
A mulher que estremecia,
E as mãos inda ensanguentadas,
Vai, de entre seus camaradas,
Esganar quem no traía!

Jovem mãe abandonada
Com seu filhinho nos braços,
Uma triste e malfadada
Deixa-o numa água-furtada
Retalhadinho em pedaços!

No mais vil prédio dum beco
Dos que a decência condena,
Sem que de tal corra um eco,
Num charco de sangue seco
Seis dias jaz Madalena!

Um filho desnaturado
Talha a golpes de podoa
O ventre em que foi gerado…
E o corpo em sangue escoado
Levanta a mão que abençoa!

E, por bordéis e hospitais,
Por mesas de anatomia,
Por salas de tribunais,
Por colunas de jornais,
Se estira o rol dia a dia…

Nos intervalos do fado,
Fala em prosa a cantadeira:
Maldiz o bruto malvado
Num discurso alto clamado
Com vozes de carpideira.

E, num tom quase faceto,
O loiro e reles menino
Mostra ao povinho um folheto
Que traz, moldurada a preto,
Uma foto do assassino…

Que verde curiosidade,
Que gosto de sangue e morte,
Que dó, que ferocidade,
Preme ali tal sociedade
Nesse culto à negra sorte?

Sentimental, caricato
De rapapés ao terror,
À história do do retrato
Segue-se o extenso relato
De outro crime inda melhor.

E enquanto um diz que são tretas,
E os demais olham inquietos,
E outro, que tem quaisquer letras,
Decifra essas cifras pretas
A um grupo de analfabetos,

Sob o imenso azul perfeito
Como abóbada de igreja,
As mães de filhos de peito
Tremem, sem achar direito
De acusar quem quer que seja…


In “Fado”

 

José Régio

1901 – 1969

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contadores digitales

.Ano IX

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Eu li...

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... António Botto

. Eu li... Charles Baudelai...

. Eu li... Su Dongbo

. Eu li... Jacinta Passos

. Eu li... Laura Riding

. Eu li... Carlos Drummont ...

. Eu li... Juan Ramón Jimén...

. Eu li... Vincenzo Cardare...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds