Quarta-feira, 30 de Junho de 2010

Eu li... Fernanda Botelho

CANTAR DE AMIGO

Bailada, bailia
que eu já sei bailar.
E agora só queria
aprender a amar.

Ao entrar na roda,
soltou-se-me a liga.
E agora há quem diga
que não foi na roda.

Bailada, bailia
que eu já sei bailar.
E agora só queria,
mas não posso, amar.

 

 

In “As Folhas de Poesia Távola Redonda"

Fundação Calouste Gulbenkian

Boletim Cultural – Série VI – n.º 11 – Outubro de 1988

 

Fernanda Botelho

1926 – 2007

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 26 de Junho de 2010

Eu li... Eduardo Carranza

TEMA DE FOGO E MAR

Só o fogo e o mar podem olhar-se
sem fim. Nem sequer o céu com a s suas nuvens.
Só o teu rosto, só o mar e o fogo.
As chamas, e as ondas, e os teus olhos.

Serás de fogo e mar, olhos escuros.
De onda e chama serás, negros cabelos.
Conhecerás o desenlace da fogueira.
E saberás o segredo da espuma.

Coroada de azul como a onda.
Aguda e sideral como a chama.
Só o teu rosto interminavelmente.
Como o fogo e o mar. Como a morte


In “O Mar na Poesia da América Latina”

Selecção dos textos Isabel Aguiar Barcelos

Tradução José Agostinho Batista

Assírio & Alvim

 

Eduardo Carranza
1913 – 1985

(Poeta Colombiano)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 22 de Junho de 2010

Eu li... Fátima Andersen

LIGEIRAMENTE, INSINUADA

 

Ligeiramente, insinuada,

corria a água, delgada,

às vezes parada,

e nas frestas esgueirada,

avançando, lambendo raízes e pedras,

mansa, e depois esperta,

como sem pressas,

colada e despercebida. 

Rodeando-me,

de charco e espelho me vestiu,

me afogou

apenas num dedo de fundo,

e me deixou depositado

na orla agreste do corpo. 

 

 

In "Partitura"

Edições Colibri – 1999

 

Fátima Andersen

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 18 de Junho de 2010

Eu li... Alfonsina Storni

DIANTE DO MAR

 

Oh, mar, enorme mar, coração feroz
de ritmo desigual, coração mau,
eu sou mais tenra que esse pobre pau
que, prisioneiro, apodrece nas tuas vagas.

 

Oh, mar, dá-me a tua cólera tremenda,
eu passei a vida a perdoar,
porque entendia, mar, eu me fui dando:
“Piedade, piedade para o que mais ofenda”.

 

Vulgaridade, vulgaridade que me acossa.
Ah, compraram-me a cidade e o homem.
Faz-me ter a tua cólera sem nome:
já me cansa esta missão de rosa.

 

Vês o vulgar? Esse vulgar faz-me pena,
falta-me o ar e onde falta fico.
Quem me dera não compreender, mas não posso:
é a vulgaridade que me envenena.

 

Empobreci porque entender aflige,
empobreci porque entender sufoca,
abençoada seja a força da rocha!
Eu tenho o coração como a espuma.

 

Mar, eu sonhava ser como tu és,
além nas tardes em que a minha vida
sob as horas cálidas se abria…
Ah, eu sonhava ser como tu és.

 

Olha para mim, aqui, pequena, miserável,
com toda a dor que me vence, com o sonho todo;
mar, dá-me, dá-me o inefável empenho
de tornar-me soberba, inacessível.

 

Dá-me o teu sal, o teu iodo, a tua ferocidade,
Ar do mar!… Oh, tempestade! Oh, enfado!
Pobre de mim, sou um recife
E morro, mar, sucumbo na minha pobreza.

 

E a minha alma é como o mar, é isso,
ah, a cidade apodrece-a engana-a;
pequena vida que dor provoca,
quem me dera libertar-me do seu peso!

 

Que voe o meu empenho, que voe a minha esperança…
A minha vida deve ter sido horrível,
deve ter sido uma artéria incontível
e é apenas cicatriz que sempre dói.

 

 

In “O Mar na Poesia da América Latina”

Selecção dos textos Isabel Aguiar Barcelos

Tradução José Agostinho Batista

Assírio & Alvim

 

Alfonsina Storni

1892 – 1938

(Poetisa Argentina)

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 14 de Junho de 2010

Eu li... António Gedeão

ESTRELA DA MANHÃ

 

Numa qualquer manhã, um qualquer ser,

vindo de qualquer pai,

acorda e vai.

 

Vai.

 

Como se cumprisse um dever.

 

Nas incógnitas mãos transporta os nossos gestos;

nas inquietas pupilas fermenta o nosso olhar.

E em seu impessoal desejo latejam todos os restos

de quantos desejos ficaram antes por desejar.

 

Abre os olhos e vai.

 

Vai descobrir as velas dos moinhos

e as rodas que os eixos movem,

o tear que tece o linho,

a espuma roxa dos vinhos,

incêncio na face jovem.

 

Cego, vê, de olhos abertos.

Sozinho, a multidão vai com ele.

Bagas de instintos despertos

ressuma-lhe à flor da pele.

 

Vai, belo monstro.

Arranca

as florestas com os teus dentes.

Imprime na areia branca

teus voluntariosos pés incandescentes.

 

Vai

 

Segue o teu meridiano, esse,

o que divide ao meio teus hemisférios cerebrais;

o plano de barro que nunca endurece,

onde a memória da espécie

grava os sonos imortais.

 

Vai

 

Lábios húmidos do amor da manhã,

polpas de cereja.

Desdobra-te e beija

em ti mesmo a carne sã.

 

Vai

 

À tua cega passagem

a convulsão da folhagem

diz aos ecos

«tem que ser».

 

O mar que rola e se agita,

toda a música infinita,

tudo grita

«tem que ser».

 

Cerra os dentes, alma aflita.

Tudo grita

«Tem que ser».

 

 

In “Movimento Perpétuo”

Of. Atlântida – Coimbra  

 

António Gedeão

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 10 de Junho de 2010

Eu li... Luís de Camões

BUSQUE AMOR NOVAS ARTES

 

Busque Amor novas artes, novo engenho,
pera matar-me, e novas esquivanças;
que não pode tirar-me as esperanças,
que mal me tirará o que eu não tenho.

 

Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Que não temo contrastes nem mudanças,
andando em bravo mar, perdido o lenho.

 

Mas, conquanto não pode haver desgosto
onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê.

 

Que dias há que na alma me tem posto
um não sei quê, que nasce não sei onde,
vem não sei como, e dói não sei porquê.

 

 

In “SE TUDO FOSSE IGUAL A TI” 

Poesia de Luís de Camões – 2007

Edição Alma Azul

 

Luís de Camões

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 6 de Junho de 2010

Eu li... Rui Ribeiro Couto

A MENINA GORDA 

 

Esta menina gorda, gorda, gorda,
Tem um pequenino coração sentimental.
Seu rosto é redondo, redondo, redondo;
Toda ela é redonda, redonda, redonda,
E os olhinhos estão lá no fundo a brilhar.

É menina e moça. Terá quinze anos?
Umas velhas amigas de sua mamãe
Dizem sempre que a encontram, num êxtase longo:
“Como esta menina está gorda, bonita!”
“Como esta menina está gorda, bonita!”
E ela ri de prazer. Seu rosto redondo
Esconde os olhinhos no fundo, a brilhar.

Às vezes no quarto,
Diante do espelho;
Ao ver-se tão gorda, tão gorda, tão gorda,
Ela pensa nas velhas amigas de sua mamãe
E também num rapaz
Que a olha sorrindo,
Quando toda manhã ela vai para a escola:
“– Ele gosta de mim… Ele gosta de mim.
Eu sou gorda, bonita…”
E os dedos gordinhos pegando nas tranças
Têm carícias ingénuas
Diante do espelho.  

 

 

Rui Ribeiro Couto

1898 – 1963

(Jornalista, poeta e romancista brasileiro)

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contadores digitales

.Ano IX

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Eu li...

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... António Botto

. Eu li... Charles Baudelai...

. Eu li... Su Dongbo

. Eu li... Jacinta Passos

. Eu li... Laura Riding

. Eu li... Carlos Drummont ...

. Eu li... Juan Ramón Jimén...

. Eu li... Vincenzo Cardare...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds