Sábado, 30 de Janeiro de 2010

Eu li... José Emílio-Nelson

MAHLER

(A Canção de Deus e Morte)
No jardim das almas
A fala caída.
Como se fosse a canção de
Deus e Morte.
A canção do cadáver
Sombrosa e rente.
Uivo. Brechas.
Ululante.
Compassadamente
O coração solto
Rasgado contra o céu maciço.
E de abismo ou de crateras
Um ardil. Incessante
Profundidade e permanência interminável
Na terra ímpia.
O relâmpago rasteja Deus.
Abre-se a solidão
Nos ombros do Inferno.
Quem vislumbra pérfido
No alçapão da sombra?
E o ricochete da luz?
Que castigo inexpiável?
Haverá uma música da fatalidade?
E quem lhe deve obedecer?
Sou miserável e perturbante.
Dou-me à paisagem destituída.
À árvore devastadora. À borboleta esmagada.
(O restolho enovelando.
Um bestiário precipitando-se.
Sacudindo-me.
Que aurora imprevista
Impulsivamente no mundo?)
Cantava a impaciência
Melancólica.
A dor radiante.
A vastidão.

 

In “A Palidez do Pensamento”

 

José Emílio-Nelson

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2010

Eu li... Delmira Agustini

NO MAR

 

Ontem estava azul… Ontem olhava para o céu

Com uma doçura muito vaga de pupila infante.

Na sua ampla lua regia altivo, sem ânsias, e

O sol contemplou muito a sua cabeça de avô,

De eterno avô louro de formidável cabeleira.

 

Ontem estava azul… A suave esfumação

Dos seus líquidos anelados filigranou em marfim

A bruma de um laço de brumosa evanescência

Beijava fragilmente a branca iridiscência

A seda resplandecente do manto de safira.

 

Ontem, ao pôr-se o sol, a serenidade mística

Dos olhos extasiados das almas liláses

Reflectiu-se magnanimamente. A Entranha cabalística

Dormia nos seus mistérios. O seu olhar de áspide

Estendeu a lua tardia pelo vidro sem fim:

Vi o estranho aspecto de um grande beijo bendito

Sublimando as águas… Um beijo de zénite.

E o mar mudo, solene como se cumprisse um rito

Devolvia-a trémulo no seu espelho infinito

Mais vago, como um eco, balbuciante, senil…

 

Hoje é cinzento… Um enorme segredo nas suas entranhas

Subleva a sua potência. As líquidas montanhas

Juntam-se, agigantam-se… E: oh magia do cinzento!

Hoje revolve as fezes do seu mistério gelado

Reflecte turvamente um sol encoberto

É chumbo é gelo é morte… E amo-o mais assim.

 

 

(Poema dos cadernos II e III)

 

In “O Mar na Poesia da América Latina”

Selecção dos textos Isabel Aguiar Barcelos

Tradução José Agostinho Batista

Assírio & Alvim

 

Delmira Agustini

1886 – 1914

(Poetisa uruguaia)

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Quarta-feira, 20 de Janeiro de 2010

Eu li... Joseia de Matos Mira

RELÂMPAGO

Parir um poema,
máscara nas ventas,
anestesia nas veias,
arfando...

Parir um poema
como pari meus filhos...
Alucinação dos sentidos...

Criar sem saber
estar criando.

Parir sem saber
que estou parindo.


In “Lugar Solitário”

Escritor Editora

 

Joseia de Matos Mira

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2010

Eu li... Alda Lara

PRELÚDIO

 

Pela estrada desce a noite
Mãe-Negra, desce com ela …

Nem buganvílias vermelhas,
nem vestidinhos de folhos,
nem brincadeiras de guisos,
nas suas mãos apertadas.

Só duas lágrimas grossas,
em duas faces cansadas.

Mãe-Negra tem voz de vento,
voz de silêncio batendo
nas folhas do cajueiro…
Tem voz de noite, descendo,
de mansinho, pela estrada…

Que é feito desses meninos
que gostava de embalar?…
Que é feito desses meninos
que ela ajudou a criar?…
Quem ouve agora as histórias
que costumava contar?…

Mãe-Negra não sabe nada…
Mas ai de quem sabe tudo,
como eu sei tudo
Mãe-Negra!…

É que os meninos cresceram,
e esqueceram as histórias
que costumavas contar…
Muitos partiram p’ra longe,
quem sabe se hão-de voltar!…

Só tu ficaste esperando,
mãos cruzadas no regaço,
bem quieta bem calada.

É a tua a voz deste vento,
desta saudade descendo,
de mansinho pela estrada…


Lisboa – 1951

 

In “Poemas – 1966”

 

Alda Lara

(Poetisa Angolana)

1930-1962

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 10 de Janeiro de 2010

Eu li... Manuel Rui Alves Monteiro

OS MENINOS DE HUAMBO

 

Com fios feitos de lágrimas passadas
Os meninos de Huambo fazem alegria
Constroem sonhos com os mais velhos de mãos dadas
E no céu descobrem estrelas de magia

Com os lábios de dizer nova poesia
Soletram as estrelas como letras
E vão juntando no céu como pedrinhas
Estrelas letras para fazer novas palavras

Os meninos à volta da fogueira
Vão aprender coisas de sonho e de verdade
Vão aprender como se ganha uma bandeira
Vão saber o que custou a liberdade

Com os sorrisos mais lindos do planalto
Fazem continhas engraçadas de somar
Somam beijos com flores e com suor
E subtraem manhã cedo por luar

Dividem a chuva miudinha pelo milho
Multiplicam o vento pelo mar
Soltam ao céu as estrelas já escritas
Constelações que brilham sempre sem parar

Os meninos à volta da fogueira
Vão aprender coisas de sonho e de verdade
Vão aprender como se ganha uma bandeira
Vão saber o que custou a liberdade

Palavras sempre novas, sempre novas
Palavras deste tempo sempre novo
Porque os meninos inventaram coisas novas
E até já dizem que as estrelas são do povo

Assim contentes à voltinha da fogueira
Juntam palavras deste tempo sempre novo
Porque os meninos inventaram coisas novas
E até já dizem que as estrelas são do povo

 

 

 

Manuel Rui Alves Monteiro

(Poeta Angolano)

 

N. 1941 – Huambo – Angola

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 5 de Janeiro de 2010

Eu li... Vasco Cabral

O ÚLTIMO ADEUS DUM COMBATENTE

 

Naquela tarde em que eu parti e tu ficaste

sentimos, fundo, os dois a mágoa da saudade.

Por ver-te as lágrimas sangrarem de verdade

sofri na alma um amargor quando choraste.

 

Ao despedir-me eu trouxe a dor que tu levaste!

Nem só o teu amor me traz a felicidade.

Quando parti foi por amar a Humanidade.

Sim! foi por isso que eu parti e tu ficaste!

 

Mas se pensares que eu não parti e a mim te deste

será a dor e a tristeza de perder-me

unicamente um pesadelo que tiveste.

 

Mas se jamais do teu amor posso esquecer-me

e se fui eu aquele a quem tu mais quiseste

que eu conserve em ti a esperança de rever-me!

 

 

In “Primeiro Livro de Poemas”

Selecção de Sophia de M. B. Andresen

Editorial Caminho

 

Vasco Cabral

(Poeta Guineense)

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contadores digitales

.Ano IX

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Eu li...

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... António Botto

. Eu li... Charles Baudelai...

. Eu li... Su Dongbo

. Eu li... Jacinta Passos

. Eu li... Laura Riding

. Eu li... Carlos Drummont ...

. Eu li... Juan Ramón Jimén...

. Eu li... Vincenzo Cardare...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds