Quarta-feira, 30 de Setembro de 2009

Eu li... Teixeira de Pascoaes

ESPERANÇA E TRISTEZA

 

Minha tristeza é pior que a tua dor;
Um dia, no teu ventre sentirás
Reencarnar para o mundo o teu amor:
A mesma alma, o mesmo olhar… verás!

 

Eu sei que há-de voltar; e assim terás
A alegria primeira, ainda maior…
E então, de novo, alegre ficarás;
Será primeiro o teu segundo amor!

 

Mas eu que, antes do tempo, já declino,
Quem sabe se verei o teu Menino,
Numa idade em que possa compreender?

 

E partirei, depois, sem lhe deixar,
Na memória, esse terno e fundo olhar,
A comovida imagem do meu ser…

 

 

In Belo/À Minha Alma/Sempre/Terra Proibida”

Assírio & Alvim

Teixeira de Pascoaes

 

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 25 de Setembro de 2009

Eu li... Casimiro de Abreu

PALAVRAS NO MAR

 

Se eu fosse amado!...
Se um rosto virgem
Doce vertigem
Me desse n'alma
Turvando a calma
Que me enlanguece!...
Oh! se eu pudesse
Hoje – sequer –
Fartar desejos
Nos longos beijos
Duma mulher!...

Se o peito morto
Doce conforto
Sentisse agora
Na sua dor;
Talvez nest'hora
Viver quisera
Na primavera
De casto amor!
Então minh'alma,
Turvada a calma,

– Harpa vibrada
Por mão de fada –
Como a calhandra
Saúda o dia,
Em meigos cantos
Se exalaria
Na melodia
Dos sonhos meus;
E louca e terna
Nessa vertigem
Amara a virgem
Cantando a Deus!

 

 

Avon – 1857

 

 

In “As Primaveras”

 

Casimiro de Abreu

(Poeta Brasileiro)

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 20 de Setembro de 2009

Eu li... Luís Vaz de Camões

DOCES ÁGUAS E CLARAS DO MONDEGO

 

Doces águas e claras do Mondego,
doce repouso de minha lembrança,
onde a comprida e pérfida esperança
longo tempo após si me trouxe cego;

de vós me aparto; mas, porém, não nego
que ainda a memória longa, que me alcança,
me não deixa de vós fazer mudança,
mas quanto mais me alongo, mais me achego.

Bem pudera Fortuna este instrumento
d'alma levar por terra nova e estranha,
oferecido ao mar remoto e vento;

mas alma, que de cá vos acompanha,
nas asas do ligeiro pensamento,
para vós, águas, voa, e em vós se banha.

 

 

In “SE TUDO FOSSE IGUAL A TI”

Poesia de Luís de Camões

Editora Alma Azul – Janeiro 2007

 

Luís Vaz de Camões

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 15 de Setembro de 2009

Eu li... Carlos Morais

REMÉDIOS POPULARES

 

Desde os tempos mui remotos,

ao ver plantas e pomares,

muita gente recorria

aos remédios populares.

 

Então, inda “se ia à bruxa”,

mas não era no Sobral;

era em suas vizinhanças,

para alívio de algum mal…

 

Um remédio “muito bom”,

no dizer de uma senhora,

era um “chá” que se fazia

de “palhas de manjedoura”…

 

Também um famoso emplastro,

cuja massa derretia

dava efeito – assim diziam –

contra… “a travinca partida”!

 

Bom leitor, que vos parece?

Casos de crendice pura?

- A tudo o homem recorre

Quando o mal já é sem cura.

 

 

In “Interfarma” – Maio de 1991 – Ano VIII Nº 93

 

Carlos Morais

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 10 de Setembro de 2009

Eu li... Jorge Luís Borges

O MAR

 

Antes que o sonho (ou o terror) tecesse

Mitologias e cosmogonias,

Antes que o tempo se cunhasse em dias,

O mar, o sempre mar, já estava e era.

Quem é o mar? Quem é aquele violento

E antigo ser que rói os pilares

Da terra e é um e muitos mares

E abismo e esplendor e acaso e vento?

Quem para ele olhar vê-o pela primeira vez,

Sempre. Com o assombro que as coisas

Elementares deixam, as belas

Tardes, a lua, o fogo de uma fogueira.

Quem é o mar, quem sou? Sabê-lo-ei no dia

Que se segue a agonia.

 

(El outro, el mismo)

 

In “O Mar na Poesia da América Latina”

Selecção dos textos Isabel Aguiar Barcelos

Tradução José Agostinho Batista

Assírio & Alvim

 

Jorge Luís Borges

(Poeta argentino)

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Sábado, 5 de Setembro de 2009

Eu li... Noémia de Sousa

SANGUE NEGRO

 

Ó minha África misteriosa, natural!
Minha virgem violentada!
Minha Mãe!...

Como eu andava há tanto desterrada
de ti, alheada distante e egocêntrica
por estas ruas da cidade engravidadas de estrangeiros
Minha Mãe! Perdoa!

Como se eu pudesse viver assim,
desta maneira, eternamente,
ignorando a carícia, fraternalmente morna
do teu olhar… Meu princípio e meu fim…

Como se não existisse para além dos cinemas e cafés
a ansiedade dos teus horizontes estranhos,
por desvendar…
Como se nos teus matos cacimbados,
não cantassem em surdina a sua liberdade, as aves mais belas,
cujos nomes são mistérios ainda fechados!

Como se teus filhos
- régias estátuas sem par –
altivos, em bronze talhados,
endurecidos no lume infernal
do teu sol
causticante
tropical –
Como se teus filhos
intemeratos, sofrendo,
lutando,
à terra amarrados
como escravos trabalhando, amando,
cantando,
meus irmãos não fossem!

- Ó minha mãe África –
Magna pagã, escrava sensual
mística, sortílega,
à tua filha tresvairada,
Abre-te e perdoa!

Que a força da tua seiva vence tudo
e nada mais foi preciso que o feitiço impor
dos teus tantãs de guerra chamando,
dum-dum-dum-tam-tam-tam
dum-dum-dum-tam-tam-tam
para que eu vibrasse
para que eu gritasse
para que eu sentisse!

– fundo no sangue a tua voz – Mãe!

E vencida reconhecesse os nossos erros
e regressasse à minha origem milenar…

Mãe! Minha mãe África,
das canções escravas ao luar,
Não posso, NÃO POSSO, renegar
o Sangue negro, o sangue bárbaro
que me legaste…
Porque em mim, em minha alma, em meus

nervos, ele é mais forte que tudo!

Eu vivo, eu sofro, eu rio,
através dele.
Mãe!...

 

In “Antologia Temática de Poesia Africana, I”

Editora Sá da Costa

 

Noémia de Sousa

(Poetisa Moçambicana)

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contadores digitales

.Ano IX

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Eu li...

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... António Botto

. Eu li... Charles Baudelai...

. Eu li... Su Dongbo

. Eu li... Jacinta Passos

. Eu li... Laura Riding

. Eu li... Carlos Drummont ...

. Eu li... Juan Ramón Jimén...

. Eu li... Vincenzo Cardare...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds