Sábado, 30 de Maio de 2009

Eu li... Paulino Cabral (Abade de Jazente)

JÁ SE DERRETE A NEVE

 

Já se derrete a neve, e da montanha

Em líquida corrente ao vale desce,

Os campos rega, as margens humedece,

Borrifa a tenra flor, a relva banha.

 

No monte a brenha, o mato na campanha

No bosque a planta, enfim tudo floresce;

Até no tronco antigo a hera cresce,

E a rude penha novo musgo ganha.

 

O fresco Abril em toda a parte arvora

O verde pavilhão, em que se esmera

Toda a pompa gentil, que produz Flora.

 

Tudo alegre se vê; somente austera

Não quis a minha sorte, que até agora

Chegasse para mim a Primavera.

 

 

Paulino Cabral

(Abade de Jazente)

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 25 de Maio de 2009

Eu li... Raimundo Correia

A CAVALGADA

 

A lua banha a solitária estrada...
Silêncio!... Mas além, confuso e brando,
O som longínquo vem-se aproximando
Do galopar de estranha cavalgada.

 

São fidalgos que voltam da caçada;
Vêm alegres, vêm rindo, vêm cantando.
E as trompas a soar vão agitando
O remanso da noite embalsamada...

 

E o bosque estala, move-se, estremece...
Da cavalgada o estrépito que aumenta
Perde-se após no centro da montanha...

 

E o silêncio outra vez soturno desce...
E límpida, sem mácula, alvacenta
A lua a estrada solitária banha...

 

 

Raimundo Correia

(Poeta Brasileiro)

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 20 de Maio de 2009

Eu li... Kalungano (Pseudónimo de Marcelino dos Santos)

SONHO DE MÃE NEGRA

 

Mãe negra

Embala o seu filho

E na sua cabeça negra

Coberta de cabelos negros

Ela guarda sonhos maravilhosos

 

Mãe negra

Embala o seu filho

E esquece

Que o milho já a terra secou

Que o amendoim ontem acabou

 

Ela sonha mundos maravilhosos

Onde o seu filho iria á escola

Á escola onde estudam os homens

 

Mãe negra

Embala o seu filho

E esquece

Os seus irmãos construindo vilas e cidades

Cimentando-as com o seu sangue

 

Ela sonha mundos maravilhosos

Onde o seu filho correria na estrada

Na estrada onde passam os homens

 

Mãe negra

Embala o seu filho

E escutando

A voz que vem de longe

Trazida pelos ventos

         

Ela sonha mundos maravilhosos

Mundos maravilhosos

Onde o seu filho poderá viver.

 

In “Antologia Temática de Poesia Africana I”

Editora Livraria Sá da Costa

 

Kalungano (Pseudónimo de Marcelino dos Santos)

(Poeta Moçambicano)

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 15 de Maio de 2009

Eu li... Guiosepe Ghiaroni

MÁQUINA DE ESCREVER

 

Mãe, se eu morrer de um repentino mal,

vende meus bens a bem de meus credores:
a fantasia de festivas cores
que usei no derradeiro carnaval.

Vende este rádio que ganhei de prêmio
por um concurso num jornal do povo,
e aquele terno novo, quase novo,
com poucas manchas de café boémio.


Vende também meus óculos antigos,
que me davam uns ares inocentes.
Já não precisarei de duas lentes
para enxergar os corações amigos.

Vende, além das gravatas, do chapéu,
meus sapatos rangentes. Sem ruído,
é mais provável que eu alcance o Céu
e logre penetrar despercebido.

Vende meu dente de ouro. O Paraíso
requer apenas a expressão do olhar.
Já não precisarei de meu sorriso
para um outro sorriso me enganar.

Vende meus olhos a um Belchior qualquer
que os guarde numa loja poeirenta,
reluzindo na sombra pardacenta
refletindo um semblante de mulher!


Vende tudo ao findar a minha sorte,
libertando minha alma pensativa,
para ninguém chorar a minha morte,
sem realmente desejar que eu viva.

Podes vender meu próprio leito e roupa
para pagar àqueles a quem devo.
Sim, vende tudo, minha mãe, mas poupa
esta caduca máquina em que escrevo.


Mas poupa a minha amiga de horas mortas,
de teclas bambas, tique-taque incerto.
De ano em ano, manda-a ao conserto
e unta de azeite as suas peças tortas.


Vende todas as grandes pequenezas
que eram meu humílimo tesouro.
Mas não! ainda que te ofereçam ouro,
não vendas o meu filtro de tristezas.

Quanta vez esta máquina afugenta
meus fantasmas da dúvida e do mal,
ela que é minha rude ferramenta
e meu doce instrumento musical!

Bate rangendo, numa espécie de asma,
mas cada vez que bate, é um grão de trigo.
Quando eu morrer, quem a levar consigo
há de levar consigo o meu fantasma.

 

Pois será para ela uma tortura
sentir nas bambas teclas solitárias,
um bando de dez unhas usurárias
a datilografar uma fatura.

Deixa-a morrer também, quando eu morrer,
deixa-a calar numa quietude extrema,
à espera de meu último poema,
que as palavras não dão para fazer.

Conserva-a, minha mãe, no velho lar,
conservando os meus íntimos instantes.
E, nas noites de lua, não te espantes
quando as teclas baterem devagar.

 

 

In “Empório Brasil” – S. Paulo – 1988

Editora Clube do Livro/Melhoramentos  

 

Guiosepe Ghiaroni

(Poeta e Jornalista Brasileiro)

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Domingo, 10 de Maio de 2009

Eu li... Alexandre Herculano

A VOZ

 

É tão suave ess'hora,
Em que nos foge o dia,
E em que suscita a Lua
Das ondas a ardentia;

Se em alcantis marinhos
Nas rochas assentado,
O trovador medita
Em sonhos enleado!

O mar azul se encrespa
Co’a vespertina brisa,
E no casal da serra
A luz já se divisa.

E tudo em roda cala,
Na praia sinuosa,
Salvo o som do remanso
Quebrando em furna algosa.

Ali folga o poeta
Nos desvarios seus;
E nessa paz que o cerca
Bendiz a mão de Deus.

Mas despregou seu grito
A alcíone gemente,
E nuvem pequenina
Ergueu-se no ocidente;

E sobe, e cresce, e imensa,
Nos céus negra flutua,
E o vento das procelas
Já varre a fraga nua.

Turba-se o vasto oceano.
Com hórrido clamor;
Dos vagalhões nas ribas
Expira o vão furor

E do poeta a fronte
Cobriu véu de tristeza;
Calou, à luz do raio,
Seu hino à natureza.

Pela alma lhe vagava
Um negro pensamento,
Da alcíone ao gemido,
Ao sibilar do vento.

Era blasfema ideia,
Que triunfava enfim;
Mas voz soou ignota,
Que lhe dizia assim:

«Cantor, esse queixume
Da núncia das procelas,
E as nuvens, que te roubam
Miríades de estrelas,

E o frémito dos euros,
E o estourar da vaga,
Na praia, que revolve,
Na rocha, onde se esmaga,

Onde espalhava a brisa
Sussurro harmonioso,
Enquanto do éter puro
Descia o Sol radioso,

Tipo da vida do homem,
É do universo a vida:
Depois do afã repouso,
Depois da paz a lida.

Se ergueste a Deus um hino
Em dia de amargura;
Se te amostraste grato
Nos dias de ventura,

Seu nome não maldigas
Quando se turba o mar:
No Deus, que é pai, confia,
Do raio ao cintilar.

Ele o mandou: - a causa
Disso o universo ignora, -
E mudo está: - seu nume,
Como o universo, adora!»

Oh, sim, torva blasfémia
Não manchará seu canto!
Brama a procela embora;
Pese sobre ele o espanto;

Que de su’harpa os hinos
Derramará contente
Aos pés de Deus, qual óleo
De recendente nardo

 

Leça da Palmeira 1835

 

In “A Harpa do Crente”

 

Alexandre Herculano

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
Terça-feira, 5 de Maio de 2009

Eu li... Rudyard Kipling

SE…

 

Se podes conservar o teu bom senso e a calma
No mundo a delirar para quem o louco és tu...
Se podes crer em ti com toda a força de alma
Quando ninguém te crê... Se vais faminto e nu,

Trilhando sem revolta um rumo solitário...
Se à turva intolerância, à negra incompreensão,
Tu podes responder subindo o teu calvário
Com lágrimas de amor e bênçãos de perdão...

Se podes dizer bem de quem te calunia...
Se dás ternura em troca aos que te dão rancor,
(Mas sem a afectação de um santo que oficia
Nem pretensões de sábio a dar lições de amor)...

Se podes esperar sem fatigar a esperança...
Sonhar, mas conservar-te acima do teu sonho...
Fazer do pensamento um arco de aliança,
Entre o clarão do inferno e a luz do céu risonho...

Se podes encarar com indiferença igual
O triunfo e a derrota, eternos impostores...
Se podes ver o bem oculto em todo o mal
E resignar sorrindo o amor dos teus amores...

Se podes resistir à raiva e à vergonha
De ver envenenar as frases que disseste
E que um velhaco emprega eivadas de peçonha
Com falsas intenções que tu jamais lhes deste...

Se podes ver por terra as obras que fizeste,
Vaiadas por mal sins, desorientando o povo,
E sem dizeres palavra, e sem um termo agreste,
Voltares ao princípio a construir de novo...

Se puderes obrigar o coração e os músculos
A renovar um esforço há muito vacilante,
Quando no teu corpo, já afogado em crepúsculos,
Só exista a vontade a comandar avante...

Se vivendo entre o povo és virtuoso e nobre...
Se vivendo entre os reis, conservas a humildade...
Se inimigo ou amigo, o poderoso e o pobre
São iguais para ti à luz da eternidade...

Se quem conta contigo encontra mais que a conta...
Se podes empregar os sessenta segundos
Do minuto que passa em obra de tal monta
Que o minuto se espraie em séculos fecundos...
 
Então, ó ser sublime, o mundo inteiro é teu!
Já dominaste os reis, os tempos, os espaços!...
Mas, ainda para além, um novo sol rompeu,
Abrindo o infinito ao rumo dos teus passos.

Pairando numa esfera acima deste plano,
Sem receares jamais que os erros te retomem,
Quando já nada houver em ti que seja humano,
Alegra-te, meu filho, então serás um homem!...

 

Rudyard Kipling

(Poeta Inglês)

(Traduzido por Félix Bermudes)

 

(Gentilmente remetido pela amiga Maria Albertina Tavares)

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contadores digitales

.Ano IX

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Eu li...

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... António Botto

. Eu li... Charles Baudelai...

. Eu li... Su Dongbo

. Eu li... Jacinta Passos

. Eu li... Laura Riding

. Eu li... Carlos Drummont ...

. Eu li... Juan Ramón Jimén...

. Eu li... Vincenzo Cardare...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds