Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2009

Eu li... António Botto

FUI AGORA MEXER NAS TUAS CARTAS

 

Fui agora mexer nas tuas cartas.

Quem pudesse voltar a acreditar
Nessas palavras doidas e transidas
De febre no delírio da paixão
Que arrastaram num sonho as nossas vidas
Misturando-as na mesma reacção!

Aqui há um juramento além da morte.
Ali dizes que vens logo à noitinha;
E um cheiro a vinho e a fruta
– Que doidice!,Paira naquele quarto de hotel
Onde fiquei três dias e três noites
Esquecido de tudo à tua espera!

Estávamos em Março; Primavera.

Nesta um abraço ainda cinge e aperta
Meu corpo vibrante,
E ali rasga o papel o teu ciúme
Num beijo sensualíssimo de amante.

Além, mais alto, impões que te apareça
– E a noite era uma noite muito fria!

Tanta carta a falar do nosso amor,
Tanta coisa que morre e nem nos deixa
Sequer um vago som de simpatia?

O que eu chorei quando esta recebi,
Esta que diz: «Não volto a procurar-te.»
E atrás de ti segui por toda a parte,
Até que te encontrei; e ardentemente
Voltámos à loucura que findou.

Como é que a gente pode mudar tanto
Sem sentir pela hora que passou
– Por essa hora linda de prazer,
Uma saudade, um pormenor qualquer
– Ficarmos alheados ou suspensos
– Uma tristeza, uma tremura, um ai
Que nasce e vai morrer lá onde a realidade
Começa e não acaba e nunca expira?...

Não leias estes versos.
Tudo isto,
Tudo isto, afinal, é só mentira.

 

 

In “Canções”

 

António Botto

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 25 de Janeiro de 2009

Eu li... Armando Cortes-Rodrigues

EM LOUVOR DA ÁGUA

 

 

Louvado seja Deus por ter criado

A água, nossa irmã, com tal ternura,

Pois não há mais alegre criança

Nem mais palmeira em todo o povoado.

 

E que humildade a sua! Lá da altura

Daquela serra vem, passo apressado,

Sempre a descer, que é esse seu cuidado,

A repetir a esmola da frescura.

 

Pressurosa lá vai a bem correr,

Por aqui, por ali, dando a beber

À terra já sedenta, que a chamou...

 

E queda-se nas fontes a cantar,

Como dizendo, ao ver alguém a passar:

- Se tendes sede, irmão, aqui estou!

 

In “Cântico das Fontes” – 1934

 

Armando Cortes-Rodrigues

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 20 de Janeiro de 2009

Eu li... Sophia de Mello Breyner Andresen

HORA

 

Sinto que hoje novamente embarco
Para as grandes aventuras,
Passam no ar palavras obscuras
E o meu desejo canta – por isso marco
Nos meus sentidos a imagem desta hora.

Sonoro e profundo
Aquele mundo
Que eu sonhara e perdera
Espera
O peso dos meus gestos.

E dormem mil gestos nos meus dedos.

Desligadas dos círculos funestos
Das mentiras alheias,
Finalmente solitárias,
As minhas mãos estão cheias
De expectativa e de segredos
Como os negros arvoredos
Que baloiçam na noite murmurando.

Ao longe por mim oiço chamando
A voz das coisas que eu sei amar.

E de novo caminho para o mar.

 

 

In “Dia do Mar” – 1947

Editora Ática – Lisboa  

 

Sofia de Mello Breyner Andresen

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 15 de Janeiro de 2009

Eu li... W. H. Auden

BLUES PARA UM FUNERAL

 

Parem os relógios, desliguem os telefones,
Não deixem o cão ladrar ao ver os ossos.

Mantenham os pianos fechados e batam em tambores,

Tragam o caixão, e a segui-lo o cortejo fúnebre.

Que o avião circule sobre nós em sinal de luto
Escrevendo com fumo no céu: Ele morreu,
Enfeitem com laços as pombas da cidade,

E aos polícias de trânsito ponham luvas pretas de algodão.

 

Ele era meu Norte, meu Sul, meu Este e Oeste,
A minha semana de trabalho, a folga de domingo,
O meu dia e noite, a minha conversa e a minha canção.

Pensei que o amor era eterno: enganei-me.

 

As estrelas não são precisas; apaguem-nas todas,
Embrulhem a lua e escondam o sol,
Esvaziem o oceano e varram a floresta,
Porque o que resta não vale a pena.

 

 

In “Poemas de Amor” – Versões Ana Leal

Edição Alma Azul – Janeiro.2006

 

 

W. H. Auden

(Poeta Inglês)

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 10 de Janeiro de 2009

Eu li... António de Sousa

FEITIÇO

 

Foi a noite e foi o dia

e a cinza duma alegria

e a palavra começada

e pela morte cortada!

 

Antes de haver pensamento

foi um bater sonolento

dos olhos verdes da aragem,

e o brando afago do vento

nos cabelos da folhagem.

 

E foi o grito perdido

duma oração sem sentido

para um deus crucificado

no seu próprio pecado!

 

Foi um luar de mãos juntas

e a minha boca cheia de perguntas!

Meio, sem princípio e fim...

O meu amor foi assim.

 

 

In “Ilha Deserta” (2ª edição)

Editorial Inquérito – 1954

 

António de Sousa

 

 

(Cedido gentilmente pela neta do autor

a poetisa Maria João Brito de Sousa)

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009

Eu li... Gil Barbosa

AS MÃOS

 

Olhem as nossas mãos!

Olhem as vossas mãos!

Mãos que acalentam a dor!

Mãos que dão amor!

Mãos que embalam o menino acabado de nascer!

E na ternura de um olhar confortam as mãos que sabem amar!

 

Mãos que tocam!

Mãos que sentem!

Mãos que não mentem!

Mãos que brilham!

Mãos que transpiram!

 

Por favor, não me largues a tua mão!

Por favor, dá-me a tua mão!

Que mesmo fria

Dá-me força e alegria!

Por favor, não me largues da tua mão!

 

Mãos que não param!

Mãos que andam de um lado para o outro

Como se não tivessem mais nada que fazer!

Mãos que arrepiam, quando o toque é repentino!

Mãos que tranquilizam quando o toque é suave e subtil!

Mãos que tocam no que demais íntimo existe!

Mão que persiste!

Mãos que lavam!

Mãos que massajam!

Mãos que fazem os olhos fecharem!

Mãos que fazem adormecer!

Mãos que deixam transparecer a dor do teu sofrer!

 

Ai mãos, mãos, que tanto de si deram aos outros!

Que tanto viveram!

Que tanto sofreram!

Que tanto caminharam!

Que tanto acarinharam!

Que tanto choraram!

 

Mãos enluvadas, mãos por enluvar!

Mãos molhadas, mãos cansadas!

Mãos enrugadas e não enrugadas!

Mãos apagadas, mãos chateadas!

Mãos aflitas!

Mão, porque gritas?

Mãos despidas!

Mãos sofridas!

Mãos largas, largas mãos!

 

Mãos que levam emoções!

Mãos que cuidam corações!

Mãos que te fazem pensar!

Mãos que te fazem chorar!

 

Estas são, apenas, as vossas mãos

As vossas simples mãos

Com muitas histórias para contar

E relembrar

Sonhar

E chorar por elas!

 

In “O Voluntário do H.S. João”

Jornal Informativo nº 4 de Julho de 2008

 

Gil Barbosa

Enfermeiro no Serviço de Neurocirurgia do Hospital de S. João

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contadores digitales

.Ano IX

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Eu li...

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... António Botto

. Eu li... Charles Baudelai...

. Eu li... Su Dongbo

. Eu li... Jacinta Passos

. Eu li... Laura Riding

. Eu li... Carlos Drummont ...

. Eu li... Juan Ramón Jimén...

. Eu li... Vincenzo Cardare...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds