Terça-feira, 30 de Setembro de 2008

Eu li... Auta de Souza

 

OBRIGADA!

                                                    

... E tu rezas por mim! Como agradeço
Essa esmola gentil de teu carinho...
Como as torturas de minh’alma esqueço
Nessa tua oração, floco de arminho!
 

Eu te bendigo, ó santa que estremeço,
Alma tão pura como a flor do linho.
É tua prece à mágoa que padeço
Asa de pomba defendendo um ninho!
 

Reza, criança! Junta as mãos nevadas
E cerra as níveas pálpebras amadas
Sobre os teus olhos como um lindo véu...
 

Depois, nas asas de uma prece ardente,
Deixa cantar minh’alma docemente,
Deixa subir meu coração ao céu!

 

 

Alto da Saudade – 21 de Maio de 1899

 

In “Horto”

 

Auta de Souza

(Poetisa Brasileira)

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 25 de Setembro de 2008

Eu li... João de Deus

A ENJEITADINHA

 

— De que choras tu, anjinho?
"Tenho fome e tenho frio!"
— E só por este caminho
Como a ave que caiu
Ainda implume do ninho!...
A tua mãe já não vive?

"Nunca a vi em minha vida;
Andei sempre assim perdida,
E mãe por certo não tive!"
— És mais feliz do que eu,
Que tive mãe e... morreu!

 

 

João de Deus

 

(Gentilmente remetido por Maria Albertina)

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 20 de Setembro de 2008

Eu li... Jacinto de Almeida

TEUS OLHOS

 

Os teus olhos são estrelas

mais cadentes que as do céu,

pequeninas e singelas

mas que cegam o olhar meu.

 

Quem me dera um dia tê-las

aqui junto ao peito meu

e contemplá-las, e vê-las,

como a mãe ao filho seu.

 

Mas teus olhos tão esquivos

não me fitam um momento,

e meus olhos são cativos

 

fartos de tanto sofrer

aumentam o meu tormento

que já mal posso conter!...

 

 

In “Saudades de Amor”

 

Jacinto de Almeida

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 15 de Setembro de 2008

Eu li... Pablo Neruda

OS VERSOS MAIS TRISTES

 

Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Escrever, por exemplo: "A noite está estrelada,
e tiritam, azuis, os astros lá ao longe".
O vento da noite gira no céu e canta.

Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Eu amei-a e por vezes ela também me amou.
Em noites como esta tive-a em meus braços.
Beijei-a tantas vezes sob o céu infinito.

Ela amou-me, por vezes eu também a amava.
Como não ter amado os seus grandes olhos fixos.
Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Pensar que não a tenho. Sentir que já a perdi.

Ouvir a noite imensa, mais imensa sem ela.
E o verso cai na alma como no pasto o orvalho.
Importa lá que o meu amor não pudesse guardá-la.
A noite está estrelada e ela não está comigo.

Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe.
A minha alma não se contenta com havê-la perdido.
Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a.
O meu coração procura-a, ela não está comigo.

A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores.
Nós dois, os de então, já não somos os mesmos.
Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei.
Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido.

De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos.
A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos.
Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda.
É tão curto o amor, tão longo o esquecimento.

Porque em noites como esta tive-a em meus braços,
a minha alma não se contenta por havê-la perdido.
Embora seja a última dor que ela me causa,
e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo.

 

Pablo Neruda

(Poeta Chileno)

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 10 de Setembro de 2008

Eu li... Castro Alves

 

AMAR E SER AMADO

Amar e ser amado! Com que anelo
Com quanto ardor este adorado sonho
Acalentei em meu delírio ardente
Por essas doces noites de desvelo!
Ser amado por ti, o teu alento
A bafejar-me a abrasadora frente!
Em, teus olhos mirar meu pensamento,
Sentir em mim tu’alma, ter só vida

P'ra tão puro e celeste sentimento:
Ver nossas vidas quais dois mansos rios,
Juntos, juntos perderem-se no oceano –,
Beijar teus dedos em delírio insano
Nossas almas unidas, nosso alento,
Confundindo também, amante – amado –

Como um anjo feliz... que pensamento!?

 

 

In “Poesias Diversas”

 

Castro Alves

(Poeta Brasileiro)

 

 

(Gentilmente remetido por Kátia Vilanova)

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 5 de Setembro de 2008

Eu li... Castro Reis

POEMA DA CHUVA

 

Bem-vinda sejas tu, ó lágrima celeste,

No tempo necessário,

Regrada e repartida.

És pérola magnífica

No ouro que te veste,

– Sangue da Natureza,

A dar à terra vida!

 

Teu canto se dilui em gostas preciosas,

Que espalhas pela terra

Em gritos de oração!

Teu braço criador

Semeia pão e rosas,

– Transformas em veludo

O mais agreste chão!

 

Por isso, eu te bem digo, ó chuva minha amiga,

Ó lágrima celeste,

– Poema do Inverno!...

Sem ti, a Primavera,

Seria voz mendiga,

– Morrendo em sede ardente

Do teu amor eterno!

 

 

Porto – Dezembro de 1980

 

In “O Grito das Fragas”

Edição do Grupo de Acção Recreativa e

Cultural Semente Nova (GARC)

 

Castro Reis

 

 

 

 

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | ver comentários (1) | favorito

.Eu

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contadores digitales

.Ano IX

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Eu li...

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... António Botto

. Eu li... Charles Baudelai...

. Eu li... Su Dongbo

. Eu li... Jacinta Passos

. Eu li... Laura Riding

. Eu li... Carlos Drummont ...

. Eu li... Juan Ramón Jimén...

. Eu li... Vincenzo Cardare...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds