Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008

Eu li... Albano Martins

ALUCINAÇÃO

Trago os olhos inundados de poeira.
Vejo tudo na sombra que me vive
e a própria noite é uma cegueira
a fechar ilusões que nunca tive.

Desenham-se contornos imprecisos
nos auges limitados do meu ser.
E fico mudo, a ostentar sorrisos
que nem eu mesmo sei compreender.

Toda a paisagem é fechada e nua
como o tronco lavado dum arbusto,
onde os esguios caracóis da lua
tecem meadas de susto.

Perturba-me a penumbra como um cio.
Quero lançar a minha angústia aos ventos,
e o meu desejo alçado é como um frio
aborto de irreais lamentos.

Sinto-me aflito com a dúbia luz
que irrompe da fundura dos pinhais.
Estalam ecos. E o pavor conduz
meu corpo a regiões sinistras, outonais.

Cavam-se abismos fundos a meus pés
e eu fico a olhá-los, espantado e quedo.
Rebentam violências de marés
à minha volta, a transportar o medo.

Noite opressiva, esta que me fita.
(E a minha angústia é cada vez maior.)
Mas, de repente, como quem medita
e se rebela contra a sua dor,

lanço, obstinado, mãos à tatuagem
que me tapa os olhos delirantes
e vejo-me sentado a beber a aragem
que o dia traz nos braços madrugantes.


In “Vocação do Silêncio”
Biblioteca de Autores Portugueses,
Imprensa Nacional – Casa da Moeda
Lisboa, 1990


Albano Martins

publicado por cateespero às 00:00
link do post | Deixe seu comentário | favorito
1 comentário:
De manu a 31 de Dezembro de 2008 às 19:43
Tinha que passar por aqui e deixar os meus votos de um bom ano 2009 e que continue a dar a conhecer essas poesias e esses poetas como tem feito até aqui. Um abraço.

Comentar post

.Eu

.pesquisar

 

.Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Visitas desde Agosto.2008


contadores digitales

.Ano VIII

.Estão neste momento...

.posts recentes

. Eu li... Mia Couto

. Eu li... Cristina Sant'An...

. Eu li... Ferreira Gullar

. Eu li... Machado de Assis

. Eu li... Olavo Bilac

. Eu li... Rainer Maria Ril...

. Eu li... Serafim Leite

. Eu li... Bertolt Brecht

. Eu li... Casimiro de Brit...

. Eu li... Antonia Pozzi

.arquivos

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds